Matrizes de Competências e Learning Facilitation: a coluna vertebral do Instituto NOW

No nosso último blog post, a gente compartilhou sobre a criação do NOW Journey Blueprint para compartilhar os aprendizados que acumulamos durante a implementação da NOW Journey. A partir de agora, vamos disponibilizar em português alguns capítulos desse documento cheio de dicas e boas práticas aqui no nosso blog. Começamos hoje com algumas das nossas reflexões sobre como estimular e medir o desenvolvimento de competências socioemocionais utilizando matrizes de competências, além de uma pequena introdução a nossa metodologia Learning Facilitation. Boa leitura!

Matrizes de Competências

Desde o início do NOW, a equipe estava determinada a medir o impacto do nosso trabalho.

Decidimos que um dos elementos mais importantes de serem avaliados era se nossos participantes estavam realmente aprendendo o que nossos programas pretendiam ensinar. No nosso primeiro programa, a NOW Journey, começamos mapeando quais competências os participantes precisavam desenvolver para alcançarem os objetivos do programa. Após definirmos as áreas de aprendizagem da NOW Journey e quais competências elas incluíam, começamos a pesquisar em como medir duas coisas: 1) onde os participantes estavam em relação a essas competências no início do programa e 2) se (e quanto) eles as desenvolveram durante o programa.

Porém, nos deparamos com uma questão: Competências como inclusão não podem simplesmente ser medidas através de um teste, como se faz com matemática. Em primeiro lugar, cada participante começa em pontos diferentes de desenvolvimento e o que queremos medir é se eles estão avançando, se estão se desenvolvendo, e não apenas se estão chegando a um nível determinado no seu desenvolvimento (o que em uma aula de matemática corresponderia à nota 10). Além disso, as competências combinam conhecimentos, habilidades e atitudes. Ser competente em inclusão significa saber sobre diversidade e sobre por quê a inclusão é importante (conhecimento), valorizar a diversidade e se comprometer com a inclusão (atitude ou postura) e ser capaz de agir de forma inclusiva com outras pessoas (habilidade). Ou seja, a interligação entre estes três níveis exige uma maneira diferente de fazer a avaliação da aprendizagem.

Enquanto pensávamos em como conseguir avaliar o desenvolvimento de competências de forma íntegra, procuramos distintas ferramentas já existentes, mas não conseguimos encontrar nada que permitisse medir as competências concretas dos nossos programas. É por isso que, junto com uma estudante de doutorado da Universidade de Bayreuth na Alemanha, desenvolvemos nossa metodologia de avaliação, e a partir dela criamos a nossa Matriz de Competências.

Nas nossas Matrizes, cada competência tem 4 níveis de desenvolvimento (veja o exemplo abaixo), que vão desde não ter uma competência determinada e nem sequer estar ciente dela, até usá-la com sucesso quase automaticamente. As Matrizes permitem aos participantes avaliar onde eles estão quando entram no programa e acompanhar o próprio desenvolvimento ao longo do mesmo. As Matrizes também são utilizadas como base para o Learning Facilitation (Facilitação de Aprendizagem – leia mais sobre isso abaixo). Finalmente, a combinação de autoavaliação e avaliação pelos pares, além da avaliação pela Learning Facilitator é a base para os certificados individuais de aprendizagem que concedemos aos participantes no final dos nossos programas.

A Matriz de Competências da Now Journey

De cara ficou claro para nós que para criar uma matriz de competências precisávamos ter uma definição clara do que queríamos que os participantes aprendessem durante o programa. Para a NOW Journey, começamos mapeando todas as competências que acreditávamos que os participantes precisavam desenvolver para serem capazes de gerar mudanças positivas em seus entornos. Identificamos 5 áreas de competências: diversidade, interconexão, mudança e transformação, desenvolvimento pessoal e colaboração, que foram então divididas em várias competências cada.

Ao longo desse processo, um dos nossos maiores aprendizados foi entender a possibilidade de existir uma divergência entre o que nós achamos que os participantes aprenderiam no programa e o que eles realmente aprenderam.

Entendemos que às vezes achávamos que estávamos fomentando o desenvolvimento de determinadas competências, mas que na realidade não tínhamos evidências de isso estivesse acontecendo. Ao mesmo tempo, havia outras habilidades que estavam sendo desenvolvidas e que inicialmente nós não tínhamos incluído na Matriz. Para a NOW Journey, criamos a Matriz ao longo de um período de 2 anos, testando e avaliando o desenvolvimento das competências. Depois do primeiro ano, excluímos competências que percebemos que não estávamos abordando, adicionamos outras e incluímos também uma área completamente nova (Desenvolvimento Pessoal) que observamos que os participantes estavam desenvolvendo mas que não tinha sido incluída na versão inicial da Matriz.

Learning Facilitation

Learning Facilitation é a metodologia de facilitação utilizada nos programas do NOW e do Instituto NOW. Entendemos o Learning Facilitation (Facilitação de Aprendizagem) como o acompanhamento e apoio estruturados ao processo de aprendizagem de cada pessoa. Ao longo dos anos, o Learning Facilitation foi se tornado uma metodologia específica que utilizamos nos nossos programas. Um Learning Facilitator (Facilitador de Aprendizagem) é uma combinação entre um mentor de desenvolvimento pessoal e um coach de aprendizagem, que ajuda os participantes a estabelecer, trabalhar e refletir sobre seus objetivos de aprendizagem.

Esses objetivos de aprendizagem são essenciais para o processo de Learning Facilitation. No Instituto NOW geralmente definimos os objetivos de aprendizagem em termos de competências. Os participantes escolhem algumas competências da nossa Matriz como seus objetivos de aprendizagem, de forma que eles possam estabelecer qual vai ser seu foco de desenvolvimento ao longo do programa.

“Um Learning Facilitator é alguém que apóia as pessoas no seu processo de aprendizagem. A maior diferença entre um professor e um facilitador é o nível de personalização. Cada pessoa tem seu próprio processo e o Learning Facilitation está aí para apoiá-lo.” (Learning Facilitator do NOW).

Os Learning Facilitators têm conversas estruturadas individuais e grupais com participantes sobre sua aprendizagem, fazem perguntas que geram reflexões, dão feedback, sugerem recursos e dão suporte ao crescimento pessoal dos participantes. Learning Facilitators também são responsáveis por facilitar e apoiar os processos de aprendizagem em pares. Por isso, parte do seu papel também é moderar grupos de reflexão e manter um espaço aberto e ativo (tanto online quanto offline) para os participantes compartilharem suas experiências e apoiarem uns aos outros.

Você pode ler mais sobre Learning Facilitation nesse blogpost!


As experiências de criar Matrizes de Competências e a metodologia do Learning Facilitation foram fundamentais para o desenvolvimento do Instituto NOW. Esses dois elementos são hoje o coração do Instituto, e por isso é fundamental para nós compartilhar nossas reflexões e aprendizados aqui. Em breve publicaremos aqui no blog traduções de outros capítulos do NOW Journey Blueprint. Esperamos que gostem!